quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Troca de família - parte I

Hoje eu vim falar sobre o processo da troca de família. A troca de família é um processo mais comum do que se imagina no auperianato, pois quando a gente conversa com a família por e-mail/Skype, a impressão é uma, na hora que chegamos e vemos a realidade, a gente vê que é outra coisa. Achar uma boa família é igual loteria, tem vez que você acerta, tem vez que não, e a gente só sabe se acertou, quando chega lá.

O primeiro passo para a troca de família é reativar seu perfil nos sites de busca de famílias. 

Reavitar os perfis? Não seria primeiro comunicar a família que você está saindo? Bom, de acordo com o contrato de Au Pair da convenção européia, você deve dar um aviso prévio de duas semanas para a família, antes de deixá-los, mas você acredita que conseguirá achar uma ótima família em apenas duas semanas? Pois afinal, após a primeira experiência, você vai querer achar uma família perfeita, não é mesmo?! Por isso eu recomendo primeiro achar uma nova família, para depois você conversar com a atual, principalmente porque após a conversa, o clima não vai ficar muito bom entre vocês.

Quando eu decidi trocar de família, e comecei a procurar por novas famílias, estabeleci quatro critérios:

  1. Cidade "grande"
  2. Até 2 crianças
  3. Não aceitar pais (pai ou mãe) solteiros
  4. A família deve pagar o curso de alemão e o transporte público

Por que esses critérios? Simples...
  1. Cidades pequenas, vilas ou Dörfer não têm muitas opções de entretenimento, você dependerá muito de ônibus, trens ou carro para ir às cidades grandes mais próximas e é uma bosta, ainda mais quando você está voltando de uma balada às 3 da manhã e tem que esperar até às 5, quando o primeiro trem parte;
  2. 3 crianças, muita responsabilidade, muito trabalho, muita paciência, muita energia;
  3. A questão de aceitar pais solteiros, é praticamente as mesmas razões de cuidar de 3 crianças: muita responsabilidade, muito trabalho, muita paciência e muita energia, você não quer ser au pãe (pai e/ou mãe), certo?! Certo! E a louca aqui foi au pair de três crianças com uma mãe solteira, é mole?!
  4. O curso, sim, o curso... o salário de au pair é muito pouco para a(o) Au Pair bancar, mesmo que você faça na Volkshochschule, o curso ainda sai caro pra Au Poor Pair, acredite, o melhor é que a família banque integralmente, ou pelo menos parcialmente (ou seja mais do que a contribuição dos 50 euros), e claro, o transporte para o curso, ou um meio para que você possa deslocar até o mesmo, eu por exemplo, tinho uma bicicleta só pra mim.
Depois de encontrado uma nova família, conversado bastante com a nova família, talvez até encontrado, já que a troca de família te possibilita isso, você faz um novo contrato com a nova família. A família deverá providenciar um novo seguro saúde. Após tudo resolvido, chegou a hora de avisar a atual, e então começa a contar as duas semanas de aviso prévio (não se esqueça de comunicar a nova família que você deverá cumprir este período de duas semanas antes de mudar).


A parte de conversar com a atual família e comunicar que você está trocando, é uma parte muito difícil e delicada, tem família louca que se revolta e decide fazer o inferno da vida do(a) Au Pair, ou até mesmo chega a expulsar o(a) Au Pair de casa, mas tem também família tranquila, que encara a decisão do(a) Au Pair com maturidade.

Só que antes de tudo, de resolver mudar de família, eu sou a favor do diálogo, se tem algo incomodando, eles não estão cumprindo o que foi acordado no contrato, chame a família para uma conversa, deixem eles saberem que você está insatisfeita, não tome decisões precipitadas antes de tentar resolver os impasses, seja direto(a), principalmente porque os alemães são diretos, não faça rodeios e vá direto no X da questão e exponha o que tá rolando. Se após o diálogo, nada for resolvido, aí sim é hora de buscar uma outra família.

Bom, vou parando por aqui. No próximo post falarei da parte burocrática da "troca de família".